Como a Virtualização de Serviços e Gestão de Dados de Provas otimizam o processo de QA

Por Novembro 27, 2017

No âmbito de desenvolvimento de software há um estágio crucial que está relacionado com os testes de funcionalidade, desempenho e segurança. Esta execução permite garantir que as funcionalidades desenvolvidas operem de acordo com os requisitos especificados e que não haja defeitos na operação, garantindo assim uma boa experiência de uso. Os testes constituem uma atividade extremamente importante e geralmente são gargalos gerados principalmente pela falta de automação, dificuldade de programar ambientes de certificação e pelo alto custo de contar com conjuntos de dados de teste, que consideram todos os casos que necessitam certificação.

Quanto ao gerenciamento de ambientes, o principal desafio é contar com réplicas dos aplicativos com os quais irá interagir a aplicação em desenvolvimento, o que é necessário para poder executar os diferentes casos de teste definidos pela equipe de QA.

Existem no mercado soluções para a virtualização de serviços que permitem a emulação do comportamento das aplicações, uma tarefa que geralmente é complexa para replicar em ambientes de teste, seja por causa dos requisitos de infraestrutura, pois são entregues por terceiros, por terem um custo por transação ou simplesmente porque elas ainda não foram construídas e já são exigidas pelo desenvolvimento que necessita testá-las, já que deverá interagir com estas.

No que diz respeito aos dados do teste, esta é uma tarefa complexa, uma vez que geralmente é necessário extrair esta informação dos ambientes produtivos e não é suficiente replicá-los para outros ambientes, pois, por temas de regulação ou proteção de informações, devem-se proteger dados confidenciais. Outra questão – que não é de menor importância – é que, uma vez que os testes sejam executados, é muito provável que os dados sejam esgotados ou queimados rapidamente, o que obriga a reexecutar esse processo, que geralmente consome recursos técnicos das áreas produtivas.

Além disso, como complemento, existem soluções para o gerenciamento de dados de teste que têm funções para a descoberta, modelagem, visualização e perfil de dados, bem como para o mascaramento de dados (o que é muito relevante em ambientes regulados), geração de subconjuntos de dados e geração de dados sintéticos, necessários para satisfazer novas casuísticas casualidades de testes. Desta forma, é possível ter dados de teste de forma expressa,  automatizada e oportuna, inclusive permitindo que os que realizam os testes manuais possam realizar um autoatendimento e solicitar dados de teste que atendam às características exigidas pelos casos de teste.

Escrito por Eduardo Cisternas Fuentes
Solution Account Director en CA Technologies
LinkedIn: @eduardocisternas